Domingo, 28 de Março de 2010

Greves (Protestos dos Camionistas)

 

 Nos últimos dias assistimos ao aviso da ANTP ( Associação Nacional das Transportadoras Portuguesas ) de que as condições que levaram ao bloqueio de que todos nos lembramos, no verão de 2008, se estão a reunir novamente.

Começo por expressar que na minha opinião existem greves e paralisações com e sem sentido. Há aquelas cuja pertinência e fundo de bom senso e razão não consigo entender como é o caso da dos pilotos da TAP, que reclamam aumentos salariais. Por muito que respeite o trabalho de elevada responsabilidade e dureza desenvolvido pelos pilotos de aviação, entendo que, na actual conjuntura, se revela inconcebivel haver aumentos salariais seja em que empresa for, tanto pública como privada. Quando se exigem sacrificios a uns, outros (que até não são nada mal remunerados) não têm o direito de fazer cidadãos comuns perder o avião, para o qual compraram um bilhete talvez 1 ou mais meses antes e que depois nem reembolsados são, nem de, principalmente, causar enormissimos prejuizos a uma empresa que já detém um passivo de milhões de euros.

No caso das empresas de transportes creio que o caso é diferente. Por exemplo, em Espanha, é possível fazer-se 800 klms de Auto-Estradas (de Badajoz a Valência ) sem se pagar uma única portagem. Aqui, nem às vezes 80 klms. E a situação parece caminhar para pior com a previsão, no PEC, da introdução de portagens nas SCUTS. Em Portugal, por cada litro de gasóleo que se põe, mais de 50 cêntimos destinam-se aos cofres do Estado, por via do imposto sobre combustiveis. O que se sucede é que deste modo abrimos espaço para os camionistas estrangeiros que atestam o depósito antes de atravessar a fronteira e assim preenchem o espaço deixado pelas empresas portuguesas que faliram por todos estes motivos e pelas progressivamente escassas ajudas de custo.

É bom que o governo ceda e negoceie com os camionistas. É uma vergonha o que se passa em Portugal, no que concerne aos preços dos combustiveis e das portagens. Já para não falar das graves consequências que podem advir se uma situação como a de 2008 se repetir. ( Os supermercados chegaram a ficar sem alguns produtos alimenticios essenciais ). Vale a pena pensar nisto.

 

Cumprimentos.

 

publicado por polideias às 19:11
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. As certezas incertas

. TAP privatizada ou assim-...

. Os pormenores (estúpidos)...

. A evolução que não atrope...

. Uma posição responsável

. O filtro necessário

. Como o "Harlem" agitou ("...

. O Estado Regulador/ O Est...

. PS e a Esquerda

. Portugal e o FMI

.arquivos

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Abril 2012

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

.subscrever feeds