Terça-feira, 25 de Setembro de 2012

Dos Ministros de um Primeiro-Ministro - entrevista de Vítor Gaspar a José Gomes Ferreira

 http://www.youtube.com/watch?v=ySaTt-scIhE

 

Há cerca de 15 dias, o Ministro de Estado e das Finanças, Vitor Gaspar foi entrevistado na SIC (ver link supra) pelo assertivo jornalista José Gomes Ferreira. 

 

Considerei o desempenho de Vitor Gaspar péssimo, em todos os planos.

 

Não sou dos que defendem que os Ministros devem ser tecnocratas. Antes pelo contrário, entendo que os Ministros devem ser políticos, e estar sim rodeados de técnicos (vulgo especialistas na verdadeira definição da palavra) nos seus gabinetes. 

 

Para além disto, são evidentes os problemas comunicacionais deste membro do Governo. 

 

Nunca é de mais lembrar a importância da comunicação.

 

A má FORMA tem a peculiaridade de estragar um bom CONTEÚDO. Um mau CONTEÚDO até pode ser "salvo" por uma boa FORMA mas o inverso não é possível, especialmente em política. 

 

Isto reporta-me para a importância da escolha dos Ministros - em termos gerais -, tão decisiva para a consistência e durabilidade de um Governo.

 

Maquiavel escreveu que "não é fácil a um Príncipe saber escolher os seus Ministros, os quais são bons ou maus segundo a sabedoria do Príncipe.

 

A primeira conjectura que se faz acerca de um Príncipe e da sua mentalidade baseia-se nos homens que o rodeiam. Se são suficientes e fiéis, podemos sempre considerá-lo sensato, porque os soube achar suficientes e manter fiéis. Mas, quando assim não sucede, podemos admitir a possibilidade de um descernimento funesto, porque o seu primeiro erro consiste nessa própria escolha. (...)

 

Havendo cérebros de três espécies, os que compreendem as coisas por si próprios, os que as compreendem quando lhas ensinam e os que nem por si mesmos nem por ensinamento doutrem compreendem nada, a primeira espécie será muito excelente, a segunda excelente e a terceira inútil. (...)

 

Sempre que um homem possui discernimento suficiente para identificar o bem ou o mal que outro faz e diz, embora, por si mesmo, não saiba inventar as coisas, sabe quais são as obras boas e as obras más do seu Ministro, corrige umas e recompensa outras. E o Ministro compreende que não o pode enganar e segue pelo bom caminho. (...)

 

QUANDO VIRES UM MINISTRO PENSAR MAIS NELE DO QUE EM TI E ATENTAR NO SEU PROVEITO EM TUDO QUANTO FIZER, TAL MINISTRO NÃO VALE NADA E NÃO TE DEVES FIAR NELE, POIS AQUELE QUE GOVERNA E TEM NAS MÃOS TODO O ESTADO DE UM PRÍNCIPE NUNCA DEVE PENSAR EM SI. (...)

 

O Príncipe, para manter o seu Ministro neste bom caminho, deve pensar nele, dar-lhe honras, torná-lo grato e devedor, de tal modo que o Ministro não possa passar sem ele e que as grandes honras que lhe der não lhe agucem o desejo de outras maiores e os elevados cargos que desempenhar LHE FAÇAM TEMER AS MUDANÇAS E NOVIDADES

 

Quando os Ministros, e os Príncipes em relação aos Ministros, são desta sorte, podem-se sempre fiar um no outro; caso contrário, o fim será sempre prejudicial a um ou a outro." 

 

Cumprimentos,

 

Hugo Baião. 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por polideias às 02:42
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De:

Data:
10 de Janeiro de 2013 às 11:47


De:

Data:
10 de Janeiro de 2013 às 12:36


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. As certezas incertas

. TAP privatizada ou assim-...

. Os pormenores (estúpidos)...

. A evolução que não atrope...

. Uma posição responsável

. O filtro necessário

. Como o "Harlem" agitou ("...

. O Estado Regulador/ O Est...

. PS e a Esquerda

. Portugal e o FMI

.arquivos

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Abril 2012

. Junho 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

.subscrever feeds